Geral, Papos Diversos

Festa de aniversário à moda antiga

Dan completou 3 aninhos recentemente. Foi a primeira festinha com convidados que fizemos para ele. Uma correria, uma canseira, um desespero de não dar tempo de fazer tudo, um sobe e desce para pesquisar preço das coisas e comprar! E no dia da festa mais correria, arruma a casa, arruma o aniversariante, arruma os comes e bebes e, por último, se arruma (mais ou menos) e torce pra que o pai se arrume sozinho 😕! Afinal, é uma situação de emergência! Rsrs!

Aí começa a festa. Gente e criança (criança também é gente, eu sei…você entendeu) pra lá e pra cá o tempo todo, muito barulho, sujeira e bagunça. Você em pé correndo de um lado pro outro, atendendo (tentando) a todos, olhando as crianças, vendo se tudo está em “ordem”. Finalmente acaba a festa e você se dá conta de que não saiu em uma foto decente. A casa está uma bagunça e suja como nunca. Você, pelo mesmo caminho…além de exausta!

E agora? “Próximo ano a festa de aniversário vai ser na escola!” – você proclama a plenos pulmões. Kkk!

No último fim de semana estive num desses play alguma coisa (playcenter, game station, play station…não lembro) no shopping. Acredite, estavam rolando cinco festas de aniversário simultâneas! Aquilo, sim, tava uma loucura! O que rolou aqui em casa foi calmo e ordeiro perto daquilo! E não tenho nada contra esse tipo de festa (eu mesma irei fazer uma, mais cedo ou mais tarde) mas, ter as pessoas todas juntas em casa, conversando, se revendo, se conhecendo, na intimidade de nosso lar, as crianças brincando umas com as outras, se olhando, se conhecendo, também…achei muito legal, apesar de todo o trabalho – e olha que o que contei aqui foi o resumo do resumo! Depois vi a fotos, onde eu raramente aparecia rsrs, e pude ter um raio X melhor da festa. Quem conversou com quem, como as crianças interagiram, quem conheceu quem, com quem eu consegui conversar..? Espera aí, olha só, eu ali, conversando com alguém!

Amei ver as fotos no fim de tudo. É uma recordação em nossa casa e nossos amigos estavam lá juntos. Acho importante e creio que será importante para Daniel também quando ele tiver idade para entender essas fotos.

 

IMG-20180505-WA0019IMG-20180505-WA0004

img-20180505-wa0017-181003514.jpg

img-20180505-wa0020899100824.jpg

img_7229-33914607.jpg

img_7191419454434.jpg

Depois do fim de semana no shopping veio o feriado de 1° de maio e fomos à festa de aniversário do filho de uma amiga. Ele completou 3 anos, como Dan, e também esteve presente em nossa festinha. Também foi uma festa à “moda antiga”, a única diferenca é que foi no playground do edifício em vez de dentro de casa, como fizemos. Mas não tinha muita diferença e lá me lembrei muito do dia aqui em casa. A mesma loucura, correria…olhando para a mãe lembrei de mim algumas semanas atrás. Com um pontada de alívio, não nego rs! Mas vi como todos na festa estavam muito felizes e à vontade. A satisfação da família em ver os amigos ali reunidos em volta deles, conhecendo o lar onde eles vivem (os que não conheciam ainda), conhecendo os novos amigos adicionados pela família desde o último encontro, o clima todo era muito bom. E, embora eu não tenha percebido tanto no dia da nossa festa em casa, creio que tenha sido mais ou menos assim também. Nossas festas foram pela tarde, pensando no horário de dormir das crianças. As músicas foram pensadas de acordo com a preferência das crianças. Os lanches foram simples e o mais saudáveis quanto foi possível. Havia brinquedos e distração à vontade para os pequenos. E aos adultos cabia participar das brincadeiras e cuidar dos pequenos.

Logo que escureceu a festa foi acabando, como aqui em casa. Assim eram as festas de aniversário quando eu era criança. Era a gente que se divertia. E tanto nós como nossos amigos pensamos na festa de nossos filhos nestes termos: a prioridade são as crianças e o que seja bom para elas. Fizemos festas muito simples, sem grandes cuidados com decoração ou buffet. Mas posso garantir que a turma adorou e se divertiu a beça! E, quem conhece o blog já sabe, mas se você chegou aqui pela primeira vez, este texto não é uma crítica às mega festas, às festas na escola ou às festas nos shoppings, ok. Um dia ainda vou fazer tudo isso, também.

E agora que o cansaço passou não vejo a hora de fazer a próxima! Rsrs

Bjos e sinta-se encorajada a fazer a boa e velha festa de aniversário em casa. 😉

Anúncios
Geral, Papos Diversos

Coisas que você nunca deve dizer a seu filho

Olá, mamães!

Depois de alguns dias de pura inspiração da “parte esposa” vamos a uma reflexão puramente materna. Não que eu não estivesse pensando nas questões sobre maternidade nesse período. Pelo contrário. Depois que nos tornamos mães nunca mais deixamos de ter essa mente materna em todos os momentos. A forma como olhamos outras mães nas ruas, outras crianças, até os filmes e séries que assistimos são afetados pela tal mente materna. Isso pra não falar de quando entramos nas lojas de departamento para comprar uma calça jeans ou um sapato (pois os nossos já estão sem cor…) e desviamos a atenção para a seção infantil tão logo a encontramos! Enfim, ser mãe é assim. A gente respira maternidade! E foi junto justamente por esta causa que comecei a escrever o Mãe Esposa. Mas hoje o assunto não é esse. É mesmo a maternidade. Vamos lá!

Sabe aquelas coisas que toda mãe diz a seus filhos? Parecem até um legado de geração a geração! Pois é, algumas delas não deveriam nunca ser ditas a uma criança. Algumas não deveriam ser ditas nem a um adulto quanto mais a alguém cuja personalidade ainda está em formação e que depende da sua opinião para ajudar a definir em que tipo de pessoa irá se tornar.

Os filhos necessitam da aceitação dos pais sobre quem e como eles são; da aprovação dos pais sobre o que eles fazem; da admiração dos pais sobre o que eles conquistam. É sobre esta confiança que a criança constrói sua identidade, se afirma como indivíduo e chega a ter um desenvolvimento saudável, em todas as áreas da vida, principalmente, na emocional. Os pais são um tipo de porto seguro dos filhos. Se o mundo inteiro os rejeitar, eles precisam saber que seus pais não o farão. Porém, se a criança não está segura de sua importância na família à qual pertence, de seu valor diante de seus pais e da estima que estes lhe têm, ela se tornará presa fácil para a pressão dos grupos e tendências da sociedade, não importa quão negativas elas sejam. Provavelmente, busque mesmo as mais negativas de todas no anseio de atrair para si atenção ou de, finalmente, se adequar à visão distorcida que seus pais parecem ter sobre ela. Ou seja, se frequentemente, o jovem ouve seus pais dizerem o quanto ele é incompetente para realizar certas tarefas, é bem possível que deixe de se esforçar para provar o contrário e passe a dançar conforme a música. Embora o exemplo dado e a tônica toda deste texto pareça apontar mais para crianças em idade maior e adolescentes, é nos primeiros anos de vida que começamos a demonstrar para os filhos qual o papel eles exercem em nossas vidas e em nossa família; o que eles significam para nós e que valor lhes damos; e que ajudamos a moldar qual tipo de atitudes e abordagens para com a vida eles irão adotar.

Então, tendo em mente estas considerações, vejamos algumas frases comuns que sequer percebemos quando saem de nossa boca e que podem ser muito destrutivas para a autoimagem de um filho:

  1. Você não consegue fazer isso – normalmente, quando os filhos são pequenos, queremos e devemos protegê-los. Mas não de tudo e nem o tempo inteiro. Crianças que são constantemente tolhidas em suas atividades sob esta alegação por parte dos pais, tendem a se recolher, retrair e perder o interesse pelos desafios. A superproteção prejudica o espírito de aventura, normalmente presente nos jovens, que podem começar a se achar incapazes de realizar determinadas tarefas porque acreditam no que seus pais lhes dizem e se acostumam a “saber que não conseguem”.
  2. Você vai cair – variação da frase anterior com o mesmo efeito devastador, só que, dessa vez, com o acréscimo de instilar medo na criança. Para uma criança pequena, uma bela prova de amor é a supervisão dos pais enquanto se aventura em novas e mais desafiadoras descobertas. Os pais não estão lá para impedi-la de se aventurar, mas, para apoiá-la caso precise de proteção.
  3. Você vai quebrar isso – mais uma variação, que denota falta de confiança na capacidade da criança e mais apreço pelo objeto em questão, que não pode ser quebrado.
  4. Você sempre/você nunca – clássica! Até (ou principalmente) entre casais. Esta afirmação coloca uma sentença sobre a pessoa e lhe tira a capacidade de defesa, quando, na verdade, o ônus da prova deveria caber ao acusador. Mas quem se vê debaixo de tal acusação tenta desesperadamente provar que em algumas situações não agiu da forma alegada. Agora, imagine, coisa tão complexa na mente frágil de uma criança…
  5. Você devia ser como o Fulano – péssima! Talvez a pior de todas. Com tal declaração, a aceitação de que a criança tanto precisa cai por terra. A criança precisa estar segura de que é amada e aceita por seus pais exatamente do jeito que ela é, mesmo quando faz coisas erradas. Os erros devem ser, sim, corrigidos, mas o amor dos pais pela criança não deve ser diminuído quando ela erra, e ela deve ter certeza disso.
  6. Saia daqui! – como você se sentiria? Há alguns dias, meu filho ouviu isso de outras duas crianças numa festinha. Ele chorou de forma tão sentida, com soluços e rios de lágrimas! Fiquei espantada e, num primeiro momento, achei que tivesse acontecido algo mais grave, relacionado à sua integridade física. É a primeira coisa que nós, pais, pensamos quando nosso filho desaba a chorar e nós não vimos o que aconteceu. E, embora isso seja de suma importância, é, também, um erro acharmos que o aspecto físico importa mais que o emocional. A despeito disso, lembro que o emocional também é capaz de pôr fim à vida e, como bem afirma John Drescher, um espírito quebrado é pior que um osso quebrado.

Bem, esta lista pode ficar enorme, mas acho desnecessário, porque a ideia principal já foi passada e tenho certeza de que você já se lembrou de várias pérolas que soltou para seus filhos indevidamente. Só pra constar, antes de falar com você, tudo o que aqui foi escrito falou comigo, em primeiro lugar. Então, como o apóstolo Paulo, me defino como a “maior das pecadoras”. É minha experiência dolorosa que me inspira a escrever para ajudar você.

Para concluir, deixo um trecho do livro Sete necessidades básicas da criança, de John Drescherpara  sua reflexão:

“Os pais infelizmente transmitem com frequência ao filho a ideia de que ele é aceito quando tem êxito, mas não quando falha. A aceitação estabelece a base solida para o crescimento e a autoconfiança. Depreciar uma criança – ou aceitá-la algumas vezes e outras não – faz que ela se considere com uma mistura de respeito e desprezo.

(…)

Como a saúde física depende principalmente de alimentação e exercício adequados, a emocional também depende em primeiro lugar da estima apropriada que temos pela nossa pessoa. Isto se desenvolve por meio da aceitação e um senso de utilidade. Se o ambiente no lar inclui uma aceitação feliz e satisfeita da criança, ela sente-se valorizada e forte. A maneira como a criança é aceita nos primeiros anos determina em grande parte a estima que tem de si mesma e de outros quando chega à idade adulta.”¹

Bjos e até a próxima!


1 – DRESCHER, John. Sete necessidades básicas da criança: conhecendo os anseios da alma de meninos e meninas. 3ª ed. São Paulo: Mundo Cristão, 2013, pg. 60.

Outras Referências:

STALLIBRASS, Alisson. A criança autoconfiante. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

De Gênesis a Apocalipse, Mãe Esposa, Parada Literária

Dez dicas divertidas para trazer a lua de mel de volta à sua vida ¹

Começo a escrever este post envergonhada pela demora em cumprir o que prometi a vocês, meninas. Na última postagem com dicas de Erin MacPherson agendei com vocês uma outra lista quentíssima, também de autoria de nossa amiga dos livros.

Hoje, enfim, depois de semanas de atraso, trago as super dicas de Erin para manter a chama do casamento acesa. E quando digo isso não estou usando apenas um chavão; estou falando de acender o fogo, de paixão, desejo. “Hum, interessante mas muito distante de minha realidade…”, você está pensando. Ou, talvez, “Isso me é familiar…lembro de algo parecido, acho que foi na lua de mel”.

Bom, então este post é pra você. Sem mais delongas, lá vamos nós!

1. Desafie-se. Você já leu o livro Sete dias de intimidade, escrito pelo pastor Ed Young e sua esposa, Lisa? Esse pastor (isso mesmo, ele é um clérigo) desafia os casais a ter relações sexuais todos os dias por sete dias. Todos os dias! Mencione isso para seu marido – e, bem, acho que ele vai comprar o livro hoje mesmo. Afinal, essas são ordens pastorais.

2. Transforme o sexo em uma brincadeira. Não estou dizendo para você caçoar de seu marido (não muito, pelo menos), mas não vejo razão por que o sexos não possa ser divertido. Joguem Uno, tirando uma peça de roupa toda vez que descartarem uma carta, ou Twitter, aquele joguinho de habilidade física sobre um tapete, sem roupas.

3. Agende um compromisso para ter relação sexual. A comediante e mãe Debi Gutierrez desafia as esposas a implementar uma quinta-feira da diversão, garantindo que o marido vai ter um pouco de diversão todas as quintas -feiras à noite. Isso não só vai dar a ele algo pelo que ansiar o dia todo – ei, semana toda – mas também garante que você ponha o sexo em sua agenda pelo menos uma vez a cada sete dias.

4. Finja que são recém-casados. Quem se importa se as pessoas berrar em para você e seu marido pararem de se agarrar e correrem para um motel? Você pode berrar de volta que já tem um quarto, muitíssimo obrigada. E ele está repleto de brinquedos que falam e bichinhos de pelúcia.

5. Surpreenda seu marido. Saia da rotina de vez em quando e faça algo superdoce (e talvez um tantinho sexy) para seu marido. Talvez morangos cobertos com chocolate como um mimo para depois que as crianças estiverem na cama. Ou use a lingerie sexy para jantar.

6. Torne seu quarto à prova de bebês. Considerando que não há nada menos sexy que fraldas e lenços umedecidos (bem, exceto se for para talvez trocar as fraldas pelos ditos lenços umedecidos), é hora de tirar de seu quarto assim coisas de seu bebê. Até logo, trens de animais com luzes e musica; olá, velas românticas.

7. Separe o horário noturno para dormir (pelo menos de vez em quando). Não há absolutamente nada melhor que a sensação de estar uma boa e longa noite de sono ininterrupto. Se estiver muito cansada para qualquer coisa à noite, exceto dormir, tente ter relações sexuais pela manhã antes de às crianças acordarem. E, se isso for uma fantasia que simplesmente jamais acontecerá com seu filho pequeno que acorda bem cedinho, então talvez você tenha de ser bastante criativa. Soneca na hora do almoço, será que isso serve para alguém?

8. Paparique-se. Entre no clima ao tomar um banho de banheira com sais de banho ou ao fazer os pés e as mãos no cabeleireiro.

9. Faça uma segunda (ou décima) lua de mel. Passem uma noite em hotel como se estivessem em lua de mel. Ou, se não conseguirem isso, peça para uma amiga ou para a vovó dar uma festa do pijama para as crianças e depois transforme sua casa em um hotel romântico.

10. Mude o lugar onde tem relações sexuais. Não tenho medo de ser rotulada de entediante: mas gosto de ter relações sexuais na cama. Gosto de lençóis e travesseiros limpos e também amo poder dormir nos braços de meu marido depois da relação. No entanto, uma vez que estamos reinventando em nosso íntimo a mamãe sexy, presumo que todas nós poderíamos fazer uma pequena extravagância. Quero dizer com isso que, se você quiser ter uma relação sexual, digamos, na sala ou na escada, vá em frente.

(…)

Deus considera o seu casamento o relacionamento terreno mais importante que você possa vir a ter. Além disso, o relacionamento que você tem com seu marido monta o palco para a forma como seus filhos verão suas relações futuras.

E então, todas inspiradas? Espero que corram agora mesmo para tomar providências rs.

Mas voltem pra conferir a minha própria lista de sugestões criativas para esquentar (ou recender mesmo) as coisas. Ah, e sem esquecer que também estou devendo uma outra lista personalizada: o meu complemento para os dez encontros românticos durante o dia.

Bjos e até os próximo posts!

1 – MACPHERSON, Erin. Guia Definitivo da Mãe Cristã 3: Tudo o que você precisa saber sobre a idade das descobertas / Erin MacPherson; tradução Markus Hediger. – 1. ed. – Rio de Janeiro: Thomas Nelson Brasil, 2014, pg 244 e 245.


De Gênesis a Apocalipse, Mãe Esposa, Reflexão do Dia

Homem com H

Lembram daquele texto da Marta Medeiros, intitulado “O mulherão”? Estava aqui pensando que se houvesse uma versão masculina do Mulherão ele seria mais ou menos assim:

Homem com H!

Homem com H é aquele que se levanta de madrugada junto com a mulher para ajudar com o bebê;

É o que deixa seu prato esfriando na mesa do fast food e vai comprar a comida da esposa que está sentada, com o bebê dormindo no colo;

É aquele que levanta cedo de manhã, junto com a mulher, pra ajudar a preparar as coisas antes de sair para o trabalho;

Se encarrega dos filhos e do que mais for preciso pelo tempo necessário para a mulher se isolar e colocar ideias e planos no papel.

Homem com H, macho mesmo, sufoca suas necessidades em compreensão ao sono, cansaço e estresse da esposa (não vale abusar deles);

Continua amando e desejando a mulher, mesmo depois de uns anos e quilos a mais;

Não deprecia, não faz piada torpe, antes, valoriza a mulher que tem;

Ajuda a esposa nas tarefas da casa sem se sentir diminuído por isso.

Homem com H não tem medo de ser perseguido pelos amigos por não ficar nas rodinhas “masculinas” dissecando as colegas de trabalho (esse é macho!);

Chega em casa cansado do trabalho e vai brincar com o filho no chão da sala;

Pede opinião da esposa antes de tomar decisões importantes e não tem medo de ser taxado de “dominado”, porque sabe que boas relações são construídas de companheirismo, confiança e cumplicidade;

Reconhece o valor da mulher ao seu lado e não tem vergonha de falar disso pra quem quiser ouvir.

Homem com H reconhece que a mulher é mais frágil em alguns aspectos, mas não inferior;

Não despreza as diferenças entre os gêneros, antes, aprecia-as e trata sua esposa com a honra que é devida;

Não se utiliza da comissão bíblica para a liderança como pretexto para fazer imposições injustas e exercer tirania sobre a mulher e os filhos;

Em suma, aceita e assume com honra seu papel na família, sabendo que é inteiramente responsável pela família que Deus lhe deu e que a Ele dará contas.

Envie aos homens com H que você conhece e às mulheres também, para que elas saibam reconhecê-los.

Bjos e até a próxima!

Mãe Esposa, Parada Literária, Reflexão do Dia

Compreendendo as relações e agindo com inteligência

Em uma relação doente, frequentemente não há um santo e um carrasco. A vítima alimenta o predador. (…) Diferenças de personalidade não são motivo para confrontos, podem até dar sabor à relação, a não ser que se perca a admiração. Você só terá problemas com as diferenças de seu cônjuge se não for capaz de aceitá-las ou, no mínimo, respeitá-las. É possível viver bem com pessoas muito diferentes de nós? Sim! É só não querer que o outro seja a sua imagem e semelhança. (…)

Um dos testes de uma mulher inteligente não é apoiar quem acertou ou aplaudir quem brilhou, mas dar o ombro para quem falhou. Você apoia quem falha? Ou denúncia os erros dele?

Dentre todas as chagas de uma relação, nada é tão grave como perder a admiração pelo outro, e nada é mais perturbador do que ofendê-lo diante dos outros. Um casal inteligente e saudável deveria sempre corrigir um ao outro em particular e se elogiar em público, e nunca o contrário. (…)

Alguns atiram pedras com palavras, outros com sua indiferença. Mas uma mulher madura não diz: “Ele precisa mudar para eu melhorar”; e sim: “Eu preciso melhorar para ele mudar”. Traz a responsabilidade para si. E você, é capaz de trazer a responsabilidade para si? Talvez você não sinta a necessidade, mas quem de fato não precisa? Quem não tem rotas para corrigir? (…)

Não estou propondo que você conserte o passado, mas reedite o presente, reconstrua o futuro.

Leia mais sobre este assunto:

Fazendo os ajustes necessários no casamento

Reflexão de uma mãe amiga sobre a importância da unidade familiar

Mãe esposa

____________________________

CURY, Augusto. Mulheres inteligentes, relações saudáveis. São Paulo: Editora Academia de Inteligência, 2011, 4a edição, pgs 68-71.