De Gênesis a Apocalipse, Educação Domiciliar, Geral

Lições para a vida: ensinar pelo exemplo

Nas estações do metrô em nossa cidade, há uma campanha de doação de roupas para pessoas carentes. Uma ótima iniciativa! Embora nossa família já cultive, há muitos, anos o hábito de doar todas as roupas que não são mais usadas por qualquer razão, desde que em boas condições, achei esta campanha uma ótima oportunidade para demonstrar a Daniel, de forma prática, o exercício da solidariedade. Separamos juntos, em casa, as roupas que seriam doadas, e todos nós contribuímos com alguma peça. Colocamos a roupa dele em uma sacolinha a parte para que ele mesmo pudesse levar e depositar na caixa coletora. Enquanto arrumávamos as sacolas aproveitamos para falar com ele sobre ajudar as outras pessoas, sobre sermos gratos pelo que temos e sobre dividir. Saindo de casa, encontramos um dos funcionários do condomínio, a quem ele foi contando o que estava indo fazer e porque.

Muito se fala sobre as virtudes que desejamos ver em nossos filhos a medida que eles forem crescendo, e podemos ensinar várias coisas através de palavras, com muitas explicações convincentes. Porém, tenho plena certeza de que nada é mais relevante para a memorização do aprendiz do que a vivência daquilo que se aprende. Principalmente, se ele puder observar a prática na vida daqueles que pretendem lhe ensinar. A melhor maneira de ajudar uma criança a tornar-se um adulto honesto, respeitador, íntegro e justo é sendo honesto, respeitador, íntegro e justo em sua própria conduta enquanto caminha lado a lado com a criança pela vida. As crianças necessitam muito menos de discursos sobre o que é certo e muito mais de bons exemplos a seguir, nos quais possam se espelhar. Como têm percepção aguçada, podem captar facilmente o quão convictos nós somos daquilo que pretendemos lhes ensinar. E, logicamente, se alguém não pratica o que defende, não importa o quão caloroso e eloquente seja o seu discurso sobre aquilo, ninguém será convencido. Uma vez li num livro a seguinte frase: “Como podemos criar filhos apaixonados por Jesus?”, e a resposta era: “Sendo nós mesmos apaixonados por Ele.”

Não tenho dúvidas de que esta experiência, primeira de muitas na vida dele, tenha deixado fortes impressões nele e ajude a moldar o seu caráter a fim de que, quando chegar o momento,  seja ele mesmo quem tomará a iniciativa de doar um pouco de si em favor do seu próximo.

Anúncios
De Gênesis a Apocalipse, Mãe Esposa, Parada Literária

Dez dicas divertidas para trazer a lua de mel de volta à sua vida ¹

Começo a escrever este post envergonhada pela demora em cumprir o que prometi a vocês, meninas. Na última postagem com dicas de Erin MacPherson agendei com vocês uma outra lista quentíssima, também de autoria de nossa amiga dos livros.

Hoje, enfim, depois de semanas de atraso, trago as super dicas de Erin para manter a chama do casamento acesa. E quando digo isso não estou usando apenas um chavão; estou falando de acender o fogo, de paixão, desejo. “Hum, interessante mas muito distante de minha realidade…”, você está pensando. Ou, talvez, “Isso me é familiar…lembro de algo parecido, acho que foi na lua de mel”.

Bom, então este post é pra você. Sem mais delongas, lá vamos nós!

1. Desafie-se. Você já leu o livro Sete dias de intimidade, escrito pelo pastor Ed Young e sua esposa, Lisa? Esse pastor (isso mesmo, ele é um clérigo) desafia os casais a ter relações sexuais todos os dias por sete dias. Todos os dias! Mencione isso para seu marido – e, bem, acho que ele vai comprar o livro hoje mesmo. Afinal, essas são ordens pastorais.

2. Transforme o sexo em uma brincadeira. Não estou dizendo para você caçoar de seu marido (não muito, pelo menos), mas não vejo razão por que o sexos não possa ser divertido. Joguem Uno, tirando uma peça de roupa toda vez que descartarem uma carta, ou Twitter, aquele joguinho de habilidade física sobre um tapete, sem roupas.

3. Agende um compromisso para ter relação sexual. A comediante e mãe Debi Gutierrez desafia as esposas a implementar uma quinta-feira da diversão, garantindo que o marido vai ter um pouco de diversão todas as quintas -feiras à noite. Isso não só vai dar a ele algo pelo que ansiar o dia todo – ei, semana toda – mas também garante que você ponha o sexo em sua agenda pelo menos uma vez a cada sete dias.

4. Finja que são recém-casados. Quem se importa se as pessoas berrar em para você e seu marido pararem de se agarrar e correrem para um motel? Você pode berrar de volta que já tem um quarto, muitíssimo obrigada. E ele está repleto de brinquedos que falam e bichinhos de pelúcia.

5. Surpreenda seu marido. Saia da rotina de vez em quando e faça algo superdoce (e talvez um tantinho sexy) para seu marido. Talvez morangos cobertos com chocolate como um mimo para depois que as crianças estiverem na cama. Ou use a lingerie sexy para jantar.

6. Torne seu quarto à prova de bebês. Considerando que não há nada menos sexy que fraldas e lenços umedecidos (bem, exceto se for para talvez trocar as fraldas pelos ditos lenços umedecidos), é hora de tirar de seu quarto assim coisas de seu bebê. Até logo, trens de animais com luzes e musica; olá, velas românticas.

7. Separe o horário noturno para dormir (pelo menos de vez em quando). Não há absolutamente nada melhor que a sensação de estar uma boa e longa noite de sono ininterrupto. Se estiver muito cansada para qualquer coisa à noite, exceto dormir, tente ter relações sexuais pela manhã antes de às crianças acordarem. E, se isso for uma fantasia que simplesmente jamais acontecerá com seu filho pequeno que acorda bem cedinho, então talvez você tenha de ser bastante criativa. Soneca na hora do almoço, será que isso serve para alguém?

8. Paparique-se. Entre no clima ao tomar um banho de banheira com sais de banho ou ao fazer os pés e as mãos no cabeleireiro.

9. Faça uma segunda (ou décima) lua de mel. Passem uma noite em hotel como se estivessem em lua de mel. Ou, se não conseguirem isso, peça para uma amiga ou para a vovó dar uma festa do pijama para as crianças e depois transforme sua casa em um hotel romântico.

10. Mude o lugar onde tem relações sexuais. Não tenho medo de ser rotulada de entediante: mas gosto de ter relações sexuais na cama. Gosto de lençóis e travesseiros limpos e também amo poder dormir nos braços de meu marido depois da relação. No entanto, uma vez que estamos reinventando em nosso íntimo a mamãe sexy, presumo que todas nós poderíamos fazer uma pequena extravagância. Quero dizer com isso que, se você quiser ter uma relação sexual, digamos, na sala ou na escada, vá em frente.

(…)

Deus considera o seu casamento o relacionamento terreno mais importante que você possa vir a ter. Além disso, o relacionamento que você tem com seu marido monta o palco para a forma como seus filhos verão suas relações futuras.

E então, todas inspiradas? Espero que corram agora mesmo para tomar providências rs.

Mas voltem pra conferir a minha própria lista de sugestões criativas para esquentar (ou recender mesmo) as coisas. Ah, e sem esquecer que também estou devendo uma outra lista personalizada: o meu complemento para os dez encontros românticos durante o dia.

Bjos e até os próximo posts!

1 – MACPHERSON, Erin. Guia Definitivo da Mãe Cristã 3: Tudo o que você precisa saber sobre a idade das descobertas / Erin MacPherson; tradução Markus Hediger. – 1. ed. – Rio de Janeiro: Thomas Nelson Brasil, 2014, pg 244 e 245.


De Gênesis a Apocalipse, Mãe Esposa, Reflexão do Dia

Homem com H

Lembram daquele texto da Marta Medeiros, intitulado “O mulherão”? Estava aqui pensando que se houvesse uma versão masculina do Mulherão ele seria mais ou menos assim:

Homem com H!

Homem com H é aquele que se levanta de madrugada junto com a mulher para ajudar com o bebê;

É o que deixa seu prato esfriando na mesa do fast food e vai comprar a comida da esposa que está sentada, com o bebê dormindo no colo;

É aquele que levanta cedo de manhã, junto com a mulher, pra ajudar a preparar as coisas antes de sair para o trabalho;

Se encarrega dos filhos e do que mais for preciso pelo tempo necessário para a mulher se isolar e colocar ideias e planos no papel.

Homem com H, macho mesmo, sufoca suas necessidades em compreensão ao sono, cansaço e estresse da esposa (não vale abusar deles);

Continua amando e desejando a mulher, mesmo depois de uns anos e quilos a mais;

Não deprecia, não faz piada torpe, antes, valoriza a mulher que tem;

Ajuda a esposa nas tarefas da casa sem se sentir diminuído por isso.

Homem com H não tem medo de ser perseguido pelos amigos por não ficar nas rodinhas “masculinas” dissecando as colegas de trabalho (esse é macho!);

Chega em casa cansado do trabalho e vai brincar com o filho no chão da sala;

Pede opinião da esposa antes de tomar decisões importantes e não tem medo de ser taxado de “dominado”, porque sabe que boas relações são construídas de companheirismo, confiança e cumplicidade;

Reconhece o valor da mulher ao seu lado e não tem vergonha de falar disso pra quem quiser ouvir.

Homem com H reconhece que a mulher é mais frágil em alguns aspectos, mas não inferior;

Não despreza as diferenças entre os gêneros, antes, aprecia-as e trata sua esposa com a honra que é devida;

Não se utiliza da comissão bíblica para a liderança como pretexto para fazer imposições injustas e exercer tirania sobre a mulher e os filhos;

Em suma, aceita e assume com honra seu papel na família, sabendo que é inteiramente responsável pela família que Deus lhe deu e que a Ele dará contas.

Envie aos homens com H que você conhece e às mulheres também, para que elas saibam reconhecê-los.

Bjos e até a próxima!

De Gênesis a Apocalipse, Mãe Esposa

É possível namorar depois de termos filhos

Olá, meninas mães namoradeiras saudosistas desesperadas! Exagerei?! Foi mal…pensei que não estivesse só na ansiedade por reavivar o romance no casamento kkk!

Direto ao ponto, como prometi no último post, aqui estamos, eu e Erin de novo, falando sobre nossos relacionamentos conjugais e como é possível cuidar bem deles (e não só dos filhos). E por falar neles, demorei um pouco para retornar porque, nas duas últimas semanas, estive envolvida com os preparativos do aniversario de três anos de Dan. Depois vou contar algumas coisas pra vocês sobre isso também. Mas, por agora, vamos já falar do romance no casamento, o bom e velho namoro.

O livro de Erin ao qual venho fazendo algumas referências é o Guia Definitivo da Mãe Cristã 3: tudo o que você precisa saber sobre a idade das descobertas. No capítulo 15, intitulado Reinventando o namoro, ela aborda várias questões sobre as mudanças e dificuldades encontradas pelos casais para manter acesa a chama quando a vida a dois se torna vida a três, quatro, cinco…! Mas não para por aí, afinal, das dificuldades todas nós entendemos bem. A delícia do capítulo são as sugestões super úteis e cheias de criatividade que Erin apresenta. Tenho que confessar que as listas são inspiradoras e tenho toda certeza que você mesma terá suas próprias idéias para acrescentar e/ou adaptar às ali sugeridas. Como estamos num país com dimensões continentais, como se diz por aí e é verdade mesmo, pode ser que você viva numa região em que tudo se adeque direitinho mas, se não for o caso, use a dica como trampolim para sua imaginação e adapte à vontade. Por exemplo, no item 3 da lista que vamos degustar hoje, substitua pela frutas de sua região.

Agora, pra te deixar com muita água na boca, vou fazer um índice das listas de reinvenções do namoro que Erin apresenta neste capítulo. Sinta o drama:

  • Reinventando o orçamento para o namoro – 10 dicas
  • Reinventando a babá – 8 dicas
  • Reinventando o namoro “à noite”: dez encontros românticos durante o dia
  • Reinventando a hora de dormir: dez “encontros românticos” que você pode ter em casa (depois que as crianças forem para a cama)
  • Dez dicas divertidas para trazer a lua de mel de volta à sua vida (uma das minhas listas preferidas)

Escolhi contar pra vocês, neste post, sobre os dez encontros românticos durante o dia e, num próximo, sobre as dicas para trazer de volta a lua de mel. Então, mãos à obra. Com a palavra, Erin MacPherson:

Mesmo com seu romance revigorado e a reinvenção de seu orçamento de namoro, você ainda anda muito cansada pra ficar passeando até depois, digamos, das 19h32. E mesmo que quisesse ficar passeando até depois desse horário, pode muito bem ser impossível para uma babá esporádica fazer seus filhos dormirem, o que quer dizer que o namoro até altas horas pode se tornar algo do passado. Contudo, aqui estou eu para salvá-la de novo. Quem disse que os encontros têm de ser à noite? E que tal “namoro no início da tarde”? Ou um encontro romântico “às dez horas da manhã de terça-feira”? Ou namoros “sempre que a vovó estiver disponível para tomar conta das crianças”? Aqui estão dez ideias.

  1. Tomem café da manhã juntos. Para mim, não há nada muito melhor do que comer panquecas quentes com mel. Exceto, talvez, panquecas quentes com mel junto com meu marido cujo cabelo ainda está desarrumado, pois acabou de acordar.
  2. Pratiquem esportes. Mesmo se você não for do tipo de garota esportista (e eu não sou), é divertido e revigorante praticar esportes com seu homem. Vá até um parque para ficar a sós com ele ou dar um passeio em torno do lago. Em seu caminho para casa, parem no mercadinho e comprem água de coco gelada para vocês, pois é deliciosa e devem bebê-la sempre que houver oportunidade.
  3. Comam frutas. Procure colher alguns produtos locais – pêssegos, amoras ou maçãs – ou se preferir não ficar com as mãos sujas. vá até o mercado do produtor local e compre cerejas, ameixas e peras e depois desfrute dessas delícias com seu marido.
  4. Adquira pacotes em sites de compra coletivas. Recentemente, vi sites que oferecem passeios em rodas de ginástica, aluguel de water bike – aquelas bicicletas aquáticas -, aulas de cerâmica e até mesmo um curso para aprender a fazer sorvete. Todas essa são ideias divertidas para o horário diurno. E são coisas que você nunca fez antes… novidades e mais novidades.
  5. Façam um piquenique, mas não ao ar livre. Mande as crianças para a casa da vovó, depois ponha um cobertor na sala com itens como pão, queijo e morangos cobertos com chocolate. (E, ei… o cobertor está estendido no chão, e as crianças na casa da vovó, então…)
  6. Procurem os ingressos baratos. Não há nada igual à visão dos ingressos baratos (pelo menos, é o que dizem). Vá até o estádio, compre os assentos mais baratos, cachorro-quente e chocolate. Se realmente quiser que seu marido se apaixone novamente por você, encoste nele e lhe dê um beijo apaixonado toda vez que o time dele fizer gol.
  7. Transformem-se em artistas. Minha amiga Kaimey e o marido se matricularam em um curso de artes em um estúdio onde um instrutor os ajudava a pintar. Ou, se você quiser ser mais aventureira, vá até uma loja e compre as telas e as tintas para que vocês dois comecem a criar e pintar juntos.
  8. Pratiquem alguma arte marcial. Vão até a academia ou a um SESC mais próximo – ou, se ainda não forem membros, matriculem-se ou peçam para fazer uma aula experimental – e façam uma aula divertida juntos, talvez algum tipo de arte marcial ou hidroginástica.
  9. Façam um passeio turístico pela cidade. Finjam que são turistas (o que quer dizer que é perfeitamente aceitável usar pochete) e vão até as atrações turísticas locais. Visitem um monumento. Façam um tour por algum museu. Andem de mãos dadas enquanto percorrem uma trilha histórica.
  10. Lavem o carro juntos. Água, espuma, o marido de sunga, Já disse o suficiente.

Tudo bem, pessoal. Eu sei que algumas coisas aí em cima fogem muito mesmo da nossa realidade e podem causar até vontade de rir, às mais críticas. Mas, por favor, sejamos maleáveis e vamos manter a mente aberta. Como disse, são sugestões que inspiram. E no próximo post, para que este não se alongue muito, eu vou acrescentar, a esta lista aqui, os meus tópicos e minhas adaptações – à minha realidade. Novas ideias surgem de acordo com o que temos em mãos e o que podemos fazer. Afinal, o que está em jogo é nada menos que a manutenção da relação conjugal saudável e, por conseguinte, a estabilidade da família constituída. Muitos problemas matrimonias que hoje estão grandes e sérios começaram lá atrás, com pequenos descuidos, que poderiam ter sido corrigidos através da adoção de medidas simples assim. Agora, por outro lado, espero que essas experiências compartilhadas de longe provoquem também o desejo de mudar a realidade em que vivemos, principalmente no que implica nossa qualidade de vida familiar. Já tenho falado sobre isso por aqui, refletindo sobre a nossa ausência no lar e a pouca participação na formação dos filhos. Vejam os posts Mães de volta ao lar I e II (de preferência, antes de me atirarem pedras…mas, talvez, mesmo depois, atirem também).

Então, por hoje é só. Aguardo vocês daqui a uns dias para as Dez dicas divertidas para trazer a lua de mel de volta à sua vida

Bjos!

_________________________________________

1 – MACPHERSON, Erin. Guia Definitivo da Mãe Cristã 3: Tudo o que você precisa saber sobre a idade das descobertas / Erin MacPherson; tradução Markus Hediger. – 1. ed. – Rio de Janeiro: Thomas Nelson Brasil, 2014, pg 239 a 241.

De Gênesis a Apocalipse, Mãe Esposa, Papos Diversos

Porque Mãe Esposa

Olá, mamães!

Talvez você tenha se perguntado o porquê da categoria Mãe Esposa neste blog. E por que temos tantos textos falando sobre relacionamento conjugal. Bem, se você realmente ficou intrigada com estas questões é porque precisa mesmo refletir sobre os temas tratados aqui. O fato é que é muito fácil para uma mãe imbuída de todos os seus afazeres maternos esquecer que é, também, uma esposa. É triste, mas é fácil esquecer o companheiro da nossa mocidade, do nosso tempo de ainda-não-mãe.

Sim, porque as exigências da nova vida de mãe são exaustivas, as mudanças são tremendas, o descontrole hormonal absurdo, e nossa cabeça, uau….ela vai de 0 a 180km em minutos! Então, quando você tem um lindo e exigente bebê clamando por você o dia inteiro – e a noite também – aquele parceiro, antes charmoso e galante, se torna, rapidamente, força de trabalho adicional, ajudante, suporte, socorro e todos os outros adjetivos utilitários semelhantes que você imaginar. É isso mesmo! A gente esquece que tem marido para dar atenção, para fazer mimo, para cuidar. Durante o primeiro momento (que varia de tempo para cada mulher e para cada situação) é natural que seja assim. O final da gestação, o parto e a recente maternidade são avalanches na vida de quase toda mulher (como já disse antes, há algumas que tiram de letra). Precisamos mesmo de apoio. Mas o grande – e mais comum do que pensamos – perigo é que essa fase não acabe nunca e isso se torne uma constante na vida do casal; se torne o modus operandi natural do casamento. Isso é assassinato da relação conjugal! Não se pode viver assim por muito tempo porque as relações precisam ser nutridas com atenção, carinho, cuidados etc. Todas essas coisas que antes existiam (ou deviam existir) aos montes e, hoje, parecem só estar presentes na nossa relação com o bebê, que, às vezes, nem é mais tão bebê!

Onde isso pode nos levar? Com o que sempre sonhamos? Casamento, companheirismo, amor, romance, afeto, segurança emocional, família…opa! Aqui começam as sinalizações de alerta na estrada. Família se inicia desde que a gente casa: só o marido e a esposa. Daí para frente o que ocorre é ampliação dela com a chegada dos filhos. Mas, embora já houvesse uma família desde o casamento, é só quando os filhos chegam que esta noção ganha cores mais vivas. Agora, vejamos: marido, mulher, filhos = família. Todos estão presentes na equação. É assim que a família funciona bem. Mas, no dia a dia, às vezes, só a mulher – que agora se chama mãe – e os filhos, parecem atuar como partes integrantes e indispensáveis da família, deixando os cuidados com o matrimônio – embrião da sonhada família – cada vez mais distantes.

Não há como negar que filhos fazem o coração e a mente das mães gravitarem em torno deles. Muito mais do que os dos pais. Daí porque os homens que se tornam pais são apenas (sem qualquer tom de menosprezo) homens que se tornaram pais! Ao passo que as mulheres, por sua vez, viram mães! Viram mesmo! Quero dizer naquele sentido de se transformar em outra coisa, tipo entrando numa cabine telefônica e saindo de lá com capa esvoaçante e máscara, pronta para caçar os vilões da cidade! Ou, menos um pouco: só os vilões mais próximos de suas crias.

E onde raios, com tudo isso, vai se parar a Mulher? A Esposa? A Namorada? Depois de ter me transformado numa mãe, eu mesma senti falta de minha, digamos, esposice – assim que tive condições de me dar conta disso! Aqueles dias de correr para porta e recebê-lo perfumada, com beijos e abraços (lembram daquele marido sonhador?), viajaram para terras longínquas e nunca mais deram notícia! Mas graças a Deus por Ele ter me abençoado com um marido tão amável, dócil, parceiro, compreensivo e paciente (você não imagina o quanto)! E graças a Deus, também, por Ele ter me feito enxergar a tempo que o “eu esposa” estava ficando muito ausente e deixando meu precioso marido solitário.

Ah, e caso você ainda não tenha captado, é aí que entra a mãe esposa, porque, quando a heroína se recusa a, de tempos em tempos, tirar a capa e a máscara para voltar a ser apenas a esposa, a sonhada família corre riscos. E é para falar sobre isso que este canal foi criado aqui. Por esta e outras histórias surgiu o canal Mãe Esposa num blog sobre as aventuras e descobertas da maternidade. Afinal, a esposa não deixou de existir, ela apenas agregou uma nova função. Pense em você como um bombom sonho de valsa. Aquela grossa e deliciosa camada de chocolate é a capa da maternidade – é o você-mãe. E aquele bombom suculento, escondido lá dentro, é o você-esposa. E porque eu sei o quanto é difícil para esse pequeno bombom vencer a grossa cama de chocolate que o envolve absolutamente, deixo para você um souvenir da nossa amiga Erin MacPherson e espero te ajudar a atravessar esses dias onde tudo está de cabeça para baixo:

Descanso para a mãe ¹

Para quando estiver orando por seu casamento

“Eu sou do meu amado, e o meu amado é meu; ele descansa entre os lírios.” (Cântico dos Cânticos 6:3)

Deus pai, pertenço a meu marido, e ele pertence a mim; e ainda assim muitos dias ignoramos um ao outro, deixando nosso relacionamento em banho-maria para que cuidemos de coisas menos importantes. Por favor, Senhor, ajude-me a tornar meu marido uma prioridade de modo que nós dois possamos andar confiantes no fato de que tu criaste nosso relacionamento para um propósito. Renova nosso amor um pelo outro e une-nos para que possamos vencer as lutas que enfrentamos. Amém.

Agora, seja esperta e ajude seu marido a encontrar o bombom em vez de ficar só comendo a cobertura de chocolate.

No próximo post teremos mais notícias de Erin sobre este assunto e, acreditem, vai ajudar muito!

____________________________________________________

1 – MACPHERSON, Erin. Guia Definitivo da Mãe Cristã 3: Tudo o que você precisa saber sobre a idade das descobertas / Erin MacPherson; tradução Markus Hediger. – 1. ed. – Rio de Janeiro: Thomas Nelson Brasil, 2014, pg 232.