De Gênesis a Apocalipse, Educação Domiciliar, Geral

Lições para a vida: ensinar pelo exemplo

Nas estações do metrô em nossa cidade, há uma campanha de doação de roupas para pessoas carentes. Uma ótima iniciativa! Embora nossa família já cultive, há muitos, anos o hábito de doar todas as roupas que não são mais usadas por qualquer razão, desde que em boas condições, achei esta campanha uma ótima oportunidade para demonstrar a Daniel, de forma prática, o exercício da solidariedade. Separamos juntos, em casa, as roupas que seriam doadas, e todos nós contribuímos com alguma peça. Colocamos a roupa dele em uma sacolinha a parte para que ele mesmo pudesse levar e depositar na caixa coletora. Enquanto arrumávamos as sacolas aproveitamos para falar com ele sobre ajudar as outras pessoas, sobre sermos gratos pelo que temos e sobre dividir. Saindo de casa, encontramos um dos funcionários do condomínio, a quem ele foi contando o que estava indo fazer e porque.

Muito se fala sobre as virtudes que desejamos ver em nossos filhos a medida que eles forem crescendo, e podemos ensinar várias coisas através de palavras, com muitas explicações convincentes. Porém, tenho plena certeza de que nada é mais relevante para a memorização do aprendiz do que a vivência daquilo que se aprende. Principalmente, se ele puder observar a prática na vida daqueles que pretendem lhe ensinar. A melhor maneira de ajudar uma criança a tornar-se um adulto honesto, respeitador, íntegro e justo é sendo honesto, respeitador, íntegro e justo em sua própria conduta enquanto caminha lado a lado com a criança pela vida. As crianças necessitam muito menos de discursos sobre o que é certo e muito mais de bons exemplos a seguir, nos quais possam se espelhar. Como têm percepção aguçada, podem captar facilmente o quão convictos nós somos daquilo que pretendemos lhes ensinar. E, logicamente, se alguém não pratica o que defende, não importa o quão caloroso e eloquente seja o seu discurso sobre aquilo, ninguém será convencido. Uma vez li num livro a seguinte frase: “Como podemos criar filhos apaixonados por Jesus?”, e a resposta era: “Sendo nós mesmos apaixonados por Ele.”

Não tenho dúvidas de que esta experiência, primeira de muitas na vida dele, tenha deixado fortes impressões nele e ajude a moldar o seu caráter a fim de que, quando chegar o momento,  seja ele mesmo quem tomará a iniciativa de doar um pouco de si em favor do seu próximo.

Anúncios
De Gênesis a Apocalipse, Papos Diversos

Acionando o papai

Essa vai para as mamães de meninos!

Então, é menino! Se você tinha preferência ou não por uma menininha, o fato é que sua interação com essa criança será diferente. Na verdade, terá que ser. Você vai precisar de doses de paciência, energia e compreensão muito maiores. Talvez ele seja uma miniatura de seu marido! (Se isso é bom ou ruim você é quem vai dizer rs). Mas ele não vai ser seu companheiro de salão nem de compras. Porém, o papai sim, ganhou um parceiro! Então, aqui vão algumas dicas para as felizes mamães superproteroras cuja ficha ainda não caiu no que diz respeito à natureza de sua cria.

Seu bebê é um projeto de homem; um homem em miniatura. Sim, ele ainda é apenas um bebê mas está crescendo e se tornando um homem mais rápido do que seus olhos podem ver! Em algum momento, o pai vai passar a exercer grande influência sobre ele, naturalmente. Ele vai querer se parecer com o pai e vai se interessar muito por tudo o que diz respeito ao  seu mundo, à medida que for crescendo.

Portanto, não fique ressentida com isso, ao contrário, incentive o pai a passar tempo junto com ele, sem você por perto, de preferência, e fazer “coisas de meninos”. Deixe eles irem juntos até a barbearia na próxima vez que for cortar o cabelo (assim que for possível, dê adeus àqueles ótimos salões especializados em corte infantil ou à outra estratégia que você vem utilizando pra conseguir cortar aquele cabelo). Lá, ele vai estar no meio dos homens falando alto e gritando coisas sobre futebol, provavelmente discutindo e zoando uns com os outros. Um ambiente perfeito – para meninos.

Sugira ao papai levar seu menino ao trabalho dele, se for possível, pra que ele veja o que o pai faz no trabalho. Quando eles estiverem brincando de brincadeiras “pesadas”, por favor, não interfira (como eu faço 😦 ). Deixe eles se divertirem como sabem e gostam. Se não aguentar, saia do recinto. Estimule as brincadeiras entre eles e saia de cena sempre que possível – deixe-os à vontade. Nós gostamos de falar, os homens gostam de se mexer. Nas brincadeiras eles testam suas habilidades físicas e adquirem outras novas.

Você certamente deve gostar do ditado “pé de galinha não mata pinto”. Pois deve ser igualmente verdade que pé de galo não mata pinto, não acha? Eu sei que é difícil, porque eu vivo isso, mas dê um voto de confiança a esse ser desajeitado (agora, né… até ontem era um príncipe!) que ama seu filho tanto quanto você. Ah, é verdade! É filho dele também! Olha que descoberta incrível que nós fizemos!!

Estou zombando e levando na esportiva porque sei que nós tendemos a não confiar os cuidados de nossos pequenos tesouros aos pais. Sempre achamos eles distraídos, rudes e irresponsáveis. Uau! Tô mentindo, gente? Só que, se esse nosso comportamento tomar proporções exageradas, podemos conseguir fabricar um menino que tem medo de levar um tombo, por exemplo. Mas não me julguem machista. O fato é que homens e mulheres têm formas distintas de encarar o mundo e de se posicionar dentro dele (graças a Deus). Eu e você, amiga mãe, não conseguimos apresentar o universo masculino ao nosso filho homem. Nós nem ao menos temos idéia do que há neste universo! Eu sei, apenas – pelo pastor Cláudio Duarte – que existe a tal caixinha do nada rs. E isso é tudo! Sei que há mães que criam seus meninos sozinhas por inúmeras razões. A estas, também creio que Deus capacita de forma diferenciada, tanto mais se elas estiverem conscientes da importância de seu duplo papel e solicitarem a ajuda Dele – Deus é um grande estrategista e nunca é pego de surpresa em situação alguma. Assim, nada do que estou dizendo neste post se aplica a estas amigas mães. Porém, se houver por perto uma figura masculina muitíssimo confiável (um avô, pai, padrasto, tio etc), você pode aplicar as sugestões aqui apresentadas, se assim o desejar. Não vejo problema algum nisso porque o foco é a figura masculina, que pode ser representada por outro homem que não o pai, na ausência deste.

Quanto às outras, digo, desapareça de vez em quando. Às vezes, vejo meninos pequenos andando sozinhos com o pai (não no meio da rua). O pai na frente com a cara pra cima, todo à toa, bem relaxadão, e o filho atrás, adivinhe fazendo o quê? A mesma coisa! Ponto. É isso. Ele vai aprender muitas coisas necessárias ao seu desenvolvimento e à sua boa inserção no mundo como um ser masculino, observando e copiando o pai, e não a mãe!

Não estou dizendo que você deve desejar ardentemente transformar seu filho em um ogro. Ou, talvez, sim mas, um ogro que respeita as pessoas, em especial as mulheres, que abre as portas para elas, cede o lugar nos assentos, não exige rachar a conta e sabe ser viril quando necessário. Um homem que sabe ocupar seu lugar no mundo com dignidade, sem nada do que se envergonhar. Lembre-se, ser homem não é um defeito. Há homens que se tornaram defeituosos mas isso não é um mal inerente ao gênero. Homens de verdade possuem hombridade: o caráter dos homens viris e respeitáveis. Tudo a seu tempo, cada coisa em seu lugar. Eu admiro homens assim mas não sou capaz de ensinar meu filho a se tornar um. Melhor dizendo, eu poderia tentar ensinar falando a respeito, mas esse é o tipo de coisa que se aprende melhor pelo exemplo.

Então, faça-se um favor e, de hoje em diante, deixe seus meninos a sós uma vez ou outra, fazendo coisas de ogro no meio de outros ogros, e vá ao salão com uma amiga, bater papo e ficar bonita (seu marido agradece! – adendo feito pelo meu 😀 ). É uma boa terapia e, enquanto isso, seu menino vai se tornando um homem ao lado do pai.